Resultado do Sorteio de Natal! Pequenas Felicidades também!

Poucas e boas se inscreveram, contando sobre seus sentimentos em relação ao Natal.


Ei-las:


1 - Rosélia (Orvalho do Céu) - adorei que o hino tenha sido uma mensagem positiva para ela, via comentário no blog;


2 - Daiane Ferreira - via correios;


3 - Fernanda Reali - via comentário no blog;


4 - Rogéria Thompson - via comentário no blog;


5- Gisele Barcellos - via comentário no blog;


6 - Martha Xavier - via comentário no facebook;


7 - Martha Xavier - via comentário no facebook.


E as sortudas são:




Martha receberá aquele trio lindíssmo!






Daiane receberá o pinheirinho e o coração!



Fernanda receberá o duo de corações!

As imagens não estão das melhores porque, dessa vez, fui de celular para capturar as imagens. Parabéns,gurias! Por favor enviem para mim seus endereços completos até segunda-feira dia 12/12 que a Villa Pano enviará os brindes de vocês!


*************************************************************


Minhas pequenas felicidades da semana:






Todos os dias vejo flores como essas!



Adoro flores!



De todas as cores e mesmo imperfeitas...





Elas me enchem de felicidade!






Sim, existem panelinhas e fogões de outras cores!
- Abaixo a ditadura do rosa e lilás!






Jamie Oliver gaudério inventando quitutes e mamãe cobaia experimentando! 




Lalá ama brincar com os colegas depois da escola!




Esse local é o clubinho!


E, para terminar, chegamos aos 400 seguidores! Não é pra ficar cheia de felicidade depois de uma semana danada?!

$$$ não brota, filha/o! #criançaeconsumo

Fim de ano. Além da rematrícula na escola, tem a pechincha no material escolar encalhado na livraria/papelaria, Natal, os gastos de início de ano com impostos e... um zilhão de aniversários se aproximando. Entre eles, numa questão de 15 dias mais ou menos, os aniversários dos filhotes, do meu pai e da minha cunhada (fora as tias e amigas)... Assim: quem não é de sagitário, é capricorniano, entendem?

Essa é a primeira vez que decidimos fazer o aniversário da Larissa em buffet. Sempre nos dedicamos com muito carinho e as festas foram legais, mas dessa vez queríamos conversar mais, curtir a festa de um jeito diferente, pois combinamos com a filhota que esse será o último "festão"... - Nossas festas sempre foram animadas, cheias de brincadeiras, mas nunca pomposas.

Em compensação, o aniver do Caio é em janeiro, época difícil de reunir os coleguinhas, e ele está saindo da escolinha, vai acompanhar a mana no colégio no ano que vem e facilitar bastante a nossa vida. Por isso, nessa sexta-feira faremos a festinha dele em aula, como parte do exercício de despedida que estamos fazendo. Mas os gastos, por mais planejados que sejam, acabam pesando mais nessa época do ano.

Crianças motivadas pelas campanhas publicitárias, amigos com presentes "do momento", Papai Noel em shopping, começam cedo a falar em LISTA de presentes. Não existe mais aquela expectativa da surpresa, do que será que vou ganhar. Dependendo da criança, ela parece exigir determinados presentes.

Esses dias conversávamos sobre finanças e as dificuldades que por vezes enfrentamos, os pais que estão tirando filhos da escola etc. - Lalá, meu radarzinho ambulante, ouviu tudo com atenção. Algum tempo depois, conversávamos sobre a vinda do Papai Noel e como faremos o esquema em família, já que passaremos fora de Porto Alegre. Achei que ela tivesse esquecido.

Ontem, quando estávamos saindo para a escola, a Lalá veio toda serelepe falar de lista cheia de desejos que escreveria para o Bom Velhinho e eu, imediatamente, perguntei o que ela tinha ouvido de nossa conversa sobre dinheiro e ela soube descrever bem o que tinha se passado.

Então aproveitei a deixa: - Filha, quem sabe fazemos um único pedido bem especial pro Papai Noel? Tu vais ganhar vários presentes no aniversário e vais ver se tem ainda alguma coisa que te falte. A própria festa já é um presentão, que querias muito, né?!


Imagem: www.juntospelaalfabetizacao.blogspot.com



Ela concordou de pronto. Fiquei feliz com a reação; embora saiba que ela consegue ir bem longe em seus pensamentos e seja bastante capaz de ser compreensiva, senti um orgulho por ver que foi fácil. Como sempre procurei não fazer rodeios para dizer a verdade, acho que essa é uma boa estratégia.

Com o Caio, faço o mesmo que fazia com ela ainda pequena: - Hoje não dá pra comprar picolé, filho. Mamãe está sem dinheiro. - E ele até pode perguntar umas duas ou três vezes e mantenho a mesma postura. Porque pela insistência, ele poderia tentar me dissuadir.

É preciso, sim, dizer : - Filha/o, dinheiro não brota! Não é erva daninha! E também não dá em árvore!


Imagem: www.revide.com.br


Iniciar a criança num relacionamento saudável com o dinheiro não é apenas dar mesada para comprar lanche na cantina da escola ou deixar que tecle a senha do cartão de débito quando fazemos compras. Vai além. A criança precisa aprender a avaliar se tem necessidade de consumir determinados produtos, se tem utilizado o que já ganhou ou comprou com a mesada, se quer trocar em um brechó ou doar, trocar com amigos por brinquedos em bom estado que os mesmos não estejam utilizando. - E sobre o tema a @samegui falou recentemente também.

Mas o discurso todo não tem força se o que eles mais fazem, que é nos observar, não tiver o exemplo de coerência. Porque frases como "é só ir ao caixa eletrônico" não existem à toa. Elas aprendem que existem moedas (e que nós damos menos valor a elas), cédulas, cheques, cartões e que muito são utilizados.




Imagem: http://investimento-inteligente.blogspot.com




Na escola, a Lalá tem feito exercícios de uso do sistema monetário bem introdutórios, mas que falam de ir à feira comprar determinados vegetais e ter um certo valor para gastar. É um tremendo reforço! - Mas não é exclusivamente sua a responsabilidade da educação financeira. 

Aliás, como professora, acho que a escola pode trabalhar várias questões, como a crítica ao que programas de televisão vendem como modos de enxergar a vida, ou de que forma a propaganda nos persuade, interpretação de materiais midiáticos. Mas que os pais são os responsáveis por dizer que sim ou que não vão dar um celular, uma mochila cara, um tênis de marca famosa, "dando a real" para seus filhos.

Um dos nossos esforços nesse sentido foi mandar fazer a carteira de passagens escolares da Lalá. E passaremos a andar mais de ônibus, sim, pra que ela aprenda sobre economia, ecologia, autonomia, o bairro, a cidade e também responsabilidade. 

Que estratégias vocês usam para lidar com essa questão com seus filhos? Têm dicas?





Blog do CELE: Formatura da Escola de Mediuns, Palestrantes e Nos...

Blog do CELE: Formatura da Escola de Mediuns, Palestrantes e Nos...: Foi um grande evento!!! A formatura conjunta da Escola de Médiuns - turma 2010/2011, Curso de Palestrantes e Grupo de Estudos Nosso Lar...

BC #servoluntariovaleapena

Todo dia é de ser voluntário. Todo santo dia há causas nobres nos chamando para provocar mudanças no que é banal, no que passamos "batido", no que nem costumamos prestar atenção.

Uma vez ouvi falar de uma tese defendida por estudante da USP, sobre a invisibilidade das pessoas que fazem os trabalhos mais humildes em nossa sociedade. Ele fez parte do grupo de limpadores de sua universidade e sentiu de perto o que significava ser ignorado e até rechaçado por trabalhar com aquilo que ninguém quer, com aquilo que, literalmente, desprezamos: o lixo.


Foto: www.velhosamigos.com.br



Muitas pessoas são tratadas como escória em nossa sociedade, desde os mais tenros anos. Imaginem o que significa ser filha de um presidiário e de mãe desconhecida, ou que faleceu por ser usuária de drogas; ou ser fruto de um relacionamento fortuito e nem pai nem mãe quererem ter o rebento ao seu lado. Crianças que cresceram esperando por uma família que as adotasse. Ou, simplesmente, a miséria familiar era tanta, que assistentes sociais recolheram a criança, para  seu próprio bem...


[Então que "fazer o bem sem olhar a quem" não me é possível; tem de ter olho no olho, tem de haver cumplicidade. Mesmo em voluntariado com crianças com paralisia cerebral busquei que houvesse empatia, enquanto eu, novinha, ouvia algumas pessoas dizerem que  elas não estavam entendendo nada - e quem não compreende um gesto afetuoso?!]

Me deparei com essa realidade bastante diferente da que vivi, quando morava em São Paulo e procurava um trabalho voluntário para me inserir; o voluntariado sempre fez parte da minha vida através das iniciativas da minha mãe e, estando longe de casa, queria fazer da nova morada um local onde esse valor, o da solidariedade, continuasse presente. Parti para a busca em sites de voluntariado, que pareciam estar começando a se organizar. Encontrei uma instituição que me pareceu bastante séria, chamada Maria Helen Drexel - o que comprovei assim que preenchi uma ficha e conversei com a assistente social que fazia uma seleção de voluntários e os designava para lares onde residem crianças nas mais variadas situações.

Era o ano de 2001 e comecei conhecendo um grupo de meninos e meninas de 0 a 12 anos, todas elas sendo criadas em um lar na Chácara Santo Antônio, por um casal que, além de abnegado, tinha valores morais bastante definidos e que conseguia colocar em prática tudo aquilo que se pensa sobre amor desinteressado: mantinha um grupo de pessoínhas de diversas origens unido, se auxiliando, se amparando em todos os momentos.


Foto: www.tribune.com.pk


Comecei dando reforço escolar para os meninos mais velhos e, na medida em que fui me envolvendo com eles, mais ficava evidente o quanto minhas idas com hora marcada se tornaram um evento muito especial para todo mundo na casa. Ia para auxiliar em diversas disciplinas, não apenas ciências biológicas, mas acabava tendo o momento do colo para todas as idades, o chamego, o "eu te amo" tão espontâneo que sentia que o desejo de fazer diferença a alguém era meu, mas que quem estava provocando mudanças em mim eram eles.

Com autorização da instituição, @paulodedalus e eu levamos os meninos mais velhos ao cinema e para conhecer a nossa casa. Comemoramos o aniversário do maridex lá, com as crianças, fazendo uma festa-surpresa tendo um bolo gostoso, suco, cachorro quente e violão para animar ainda mais! Imaginam a folia?

Não me sinto autorizada a publicar as fotografias das crianças, mas posso garantir que, se alguém conheceu de perto o brilho no olhar de uma criança realmente feliz, pode estender suas mãos e disponibilizar uma hora de sua semana ao voluntariado, que é garantido que verá esse brilho novamente, muitas vezes. E poderá dizer, também, que semeou esperança e futuro. Porque eu acredito no que faço, quando estou trabalhando com educação. Mas quando o trabalho é voluntário, posso dizer sem dúvidas que #servoluntariovaleapena.


Torço para que hoje e sempre aquela gurizada que conheci na Associação Helen Drexel possa dizer: "Minha vida não saiu como planejei, mas ainda é a minha vida", como diz o sábio Fabrício Carpinejar, e faça dela algo melhor do que aqueles que cruzaram os braços previam.



O dia de hoje foi de comemoração pelo trabalho voluntário, em âmbito internacional. 

Se você não conhece locais sérios ou gostaria de ver onde estão precisando muito de pessoas com disposição de ajudar, dou aqui algumas outras dicas, já que aqui no blog sempre falo sobre o tema:

www.redebrasilvoluntario.org.br

www.voluntariosonline.org.br

www.planetavoluntarios.com.br

www.projetopescar.org.br


E há ainda muitas outras formas de colaborar... Use a imaginação e invente uma!





BC Esmaltes + Fadas

Ultimamente ando muito serelepe! Há quem, olhando de fora, possa achar até que ando de nariz empinado ou metida, mas quando estou feliz, fico olhando pro céu... E quando estou meio pra baixo, também, rsrsrsrs! Talvez a conexão com o divino seja algo importante demais para ser negada.

Hoje nossa blogagem coletiva, instigada pela Fernanda Reali, tem um adicional: falar em fadas!

Nós crescemos ouvindo falar em fadas-madrinhas... A Fada Azul, do Pinóquio, que dá vida a um boneco de madeira, realizando o sonho de paternidade de um carpinteiro solitário; a Madrinha da Cinderela (quem não sabe cantarolar com ela? "Come on"! Salagabula...) ; Sininho, a fadinha ciumenta de Peter Pan e que agora virou Tinker Bell, com filme próprio e tudo; ultimamente tem até a fada bem louca, mãe do Encantado, de Tão, Tão Distante, nos filmes do Shrek. Não lembro muito de na infância ter me apegado muito à imagem de demais fadas, mas ter me tornado mãe fez com que eu lembrasse do fascínio que as bruxas exerciam, como a Malévola e a Madrasta da Branca de Neve...


No quarto da Larissa as fadas estão ao lado da cama, velando seus sonhos!








Só que, no fim das contas, a Fada Azul sempre esteve comigo, na minha imaginação, é a de minhas memórias mais distantes, desde bem pequena. E ela, como as demais fadas, é generosa, é meiga, maternal.








Agora, quando veio à mente a postagem que faria para a blogagem, não tive como pensar em outra história de fada, que não essa:







Essa é uma história divertida, que coloca um homem na posição de fada, o que é nadar contra a corrente - adoro! - e tem muito a ver com a fase que recentemente minha filha viveu, de perder os dentinhos. É um filme que recomendo agora para as férias de verão com a criançada depois de um banho de chuva, com muita pipoca e carinho!

No Brasil, importamos essa história de fada do dente, mas na Argentina, onde vive meu afilhado Gabriel, é o Ratón que vai buscar o dente que caiu e entregar um presentinho.








Mas tem uma blogueira que também está fazendo o seu papel de fada madrinha e distribuindo sensibilidade ao convidar quem quiser e puder, para  se transformar em fada neste natal:



Conheçam melhor a Clau Finotti e vejam como é fácil fazer diferença na vida de uma criança sem as mesmas condições de vida de nossos filhos, sobrinhos, afilhados...

Também falei sobre doar o que há de melhor em você nesse post aqui.

Minhas unhas de fada serelepe, com todo o apoio da minha manicure-diva Rebeca ficaram assim, com o Madonna, da Impala:




Inspirem-se no que as pessoas falam sobre o espírito natalino e vamos colocar em prática aquele desejo de ter um mundo melhor, começando com nossas mãos esmaltólatras levando carinho para alguém!

Beijo, bom fds!
  

BC Pequenas felicidades

Hoje foi dia de pequenas felicidades e quero compartilhar!



Minhas pequenas felicidades nunca são pequenas pra mim... O resultado delas sempre é uma alegria imensa!

Nosso dia começou com a chegada da Isa, uma das melhores amigas da minha filha. Claro, o Caio já se candidatou a participar da folia!





Pra mim, receber amigos em casa sempre foi motivo de muita felicidade. E gosto de propiciar isso às crianças. - Repararam no segundo motivo de felicidade da mamãe babona? Meu filho é gremista! (Tudo bem, sofredor, mas é por amor...)


Tem mais: saímos para ver alguns detalhes dos aniversários das crianças e o céu estava azul, lindo! E, para fraseando a música, atualmente, Porto Alegre é Lilás. Muitas árvores e flores estão nos deixando mais felizes com seu viço, com seu colorido.




Outro motivo de felicidade: tomar chá ou café com as amigas. Nesse caso, é um chá em xícara de cafezinho, no salão de beleza. Quando está lotado de mulherada papeando, se embelezando, o negócio é se virar nos 30.




E tenho mais um bom motivo maravilhoso para felicidade todas as semanas: a Rebeca, Amada, que é uma diva, faz lindamente minhas unhas e ainda por cima nos tornamos amigas. Ela é altíssimo astral, alma generosa, cheia de amor!




Obrigada, Re, por sempre deixar minhas mãos "tinindo"! Daqui a pouco mais mostro na BC de esmaltes como ficou a produção!

BC de esmaltes e da Rita: pequenas felicidades e lembranças

Puxa, esse é um tema que deveria ser recorrente não apenas nas blogagens, mas nas conversas entre amigos! Relembrar que no meio da rotina, do fim de ano sempre cheio de cobranças, existem os motivos para respirar fundo, sorrir e ser grato pela vida. Geralmente são as pequenas felicidades que fazem isso com a gente!


Carinho dos filhos - delícia!


Tem coisa melhor que receber carinho? E de criança? E se essa criança é sua filha, seu filho, sobrinha(o), afilhado(a)... tem um "plus". Quando as crianças acordam cheias de amor pra dar, é um momento que me faz transbordar o coração de alegria. Muitas vezes fico em silêncio, curtindo...


O tempo passa e a amizade não muda!!!


Tenho boas amizades e elas são verdadeiras. Os nossos encontros podem até ser esporádicos, mas quando acontecem, parece que o tempo não fez diferença, porque tratamos de atualizar o que aconteceu, somos parceiras nos momentos delicados e também para fazer folia e até pagar mico cantando hino do colégio em boteco!

E tem mais:

Adoro tomar banho de chuva! Se puder ser em boa companhia, melhor ainda!

Muitooo booom!



Passam-se os 14 anos, temos nossos dias de olhar enviesado, luta, alegrias, frustrações, sonhos, percalços e, mesmo assim, podemos dizer:


Preciso explicar?

Dá pra dizer que já fiz um bocado de coisas, que não preciso explicar porque poderia parecer exibicionismo, mas se tem uma coisa de que me orgulho... Eu acredito em sonhos!


Posso dizer que realizei muitos sonhos!


Meus filhos são amados e amam seus avós... Isso não tem preço!


Minha mãe já fez permanente para ficar crespa como a netinha, pode?


Nunca vi meu pai babar tanto!

Meus cachorros são figuraças!

Patrick, o cão digital
Bob Esponja, o cão de guarda folgado!




Por isso... Quando me dou conta que todos os dias tem uma imagem como essa, consigo contemplar, me emocionar e elevar o pensamento a Deus, agradecendo por mais uma porção de oportunidades que foram oferecidas pela vida.

  

Essas são as pequenas coisas que posso dizer que resumem a felicidade ou, melhor, que são pequenas felicidades que trago comigo. E quais são as suas?


P.S.: Ia me esquecendo... Adoro fazer as unhas, me sinto feminina e feliz! Mas hoje esqueci o nome do esmalte escolhido... Só sei que é colorama, hahaha! E, detalhe: repararam que o computador geralmente aparece nas minhas fotos??? KKKKK Blogar me faz muito feliz e me trouxe muitas amizades, mas isso é assunto para outra blogagem!






Mais um adendo: me meti, bem perdida, numa blogagem achando que fosse outra... A proposta foi feita pela Rita, do blog Botõezinhos. Ó o selinho aqui:




Prestigiem a blogagem coletiva de esmaltes + lembranças! Está muito linda! A Fernanda Reali, como sempre, propondo um momento glamour + emoção ã flor da pele!

Dia do Pinheirinho

Sabe quando a gente discursa, fala que as pessoas são materialistas, que natal (sim, com letras minúsculas) virou uma festa do mercantilismo e só falta sair com uma faixa pela avenida principal da cidade protestando? Eu já fui assim... Mesmo acreditando no que diz um hino que aprendi na igreja, quando guria:


"Nas estrelas vejo a sua mão e no vento ouço a sua voz
Deus domina sobre terra e mar
O que Ele é pra mim?
Eu sei o sentido do Natal, pois na história tem o seu lugar:
Cristo veio para nos salvar - o que Ele é pra mim?


Até que um dia Seu amor senti
Sua imensa graça recebi
Descobri então que Deus não vive longe lá no céu, sem se importar comigo
Mas agora ao meu lado está
Cada dia sinto Seu cuidar ajudando-me a caminhar
Tudo é Jesus pra mim!" 


Lembro de cantarmos no culto quando eu era professora da escola dominical, ou quando era parte da Juventude Luterana, sentindo fortemente o coração vibrar com as palavras desse hino. E acho que ele é maravilhoso, independente do credo de quem o ouça.

Quando casei com o Paulo, a proximidade com os sobrinhos me fez pensar que a fantasia de que existe o Papai Noel, de que é legal a gente celebrar em família, vi a ansiedade dos "medonhos", como os chamamos, que se escondiam enquanto Papai Noel aparecia para entregar as surpresas e depois cantávamos: "o que será, o que será, que a Mari/o Pepê/a Gabi vai ganhar?" e fui entrando no clima. 

Quando me tornei mãe, no entanto, esse significado se ampliou ainda mais, pois morávamos longe da família e estarmos reunidos tinha uma importância tremenda! Mas como preparar um clima de Natal (agora com N maiúsculo) para nossa pequena sem acabarmos caindo na questão de compensar a distância com uma bugigangada, perdendo o clima que realmente interessa?

Desculpem se pareço moralista, mas sou assim. Não consigo pensar na festa e esquecer que tem gente na calçada do prédio onde moro passando fome, sede, sentindo falta de um abraço ou um sorriso. Já fui repreendida pela família (até pela filha) por conhecer desde os garis até os mendigos do bairro e por me "importar demais" com quem não é "chegado".

Foi então que tomei uma iniciativa por mim mesma e pela nossa pequena: convoquei amigos para fazermos lá em casa o "dia do pinheirinho", em que montaríamos juntos o pinheirinho com a Larissa e faríamos uma celebração da amizade, da fantasia que toda criança tem sobre a festa do nascimento de Jesus e da chegada do papai Noel, mas cada um faria a uma contribuição para enfeitar o pinheiro.

Foi lindo! Uma amiga contou sobre a história de Martim Lutero ter se perdido numa floresta de pinheiros e ter se guiado pela luz das estrelas para voltar para casa e por isso se usar iluminar a árvore de natal e as casas... Houve oração, houve alegria e nós conversamos muito sobre como desejamos que nossos filhos cresçam com valores como a compaixão, a amizade, a fé, enfim, o que nem sempre se pode encontrar, mas que se pode cultivar quando nos deparamos com eles!

Nosso pinheirinho ficou assim:


O Tigrão com orelhas de Coelho da Páscoa também quis fazer parte!


E olha a faceirice das crianças!

Teve teatro de dedoches, olha a meninada concentrada!


Vocês têm histórias bacanas de natal para contar (nos comentários)? Pois o Desconstruindo a Mãe está querendo conhecer as suas histórias e ainda vai dar um incentivo: 3 prêmios bacanas para decorar o pinheiro de quem contar suas histórias, mesmo que resumidinhas, pra gente! - Vale história curta, longa, alheia, sua da infância, com os filhos, engraçada, que emocione mais...

As inscritas participarão do sorteio através do Random.org e a divulgação do resultados será no dia 10/12/2011. Dá tempo de pensar em várias histórias e participar com muitas chances, Ok?! 

Única regra desse sorteio descomplicado: curtir a página da Villa Pano no Facebook! Observação: só enviaremos para endereços no Brasil! Garanto que ao conhecer o site, vocês quererão também receber atualizações por newsletter, porque tem cada belezura, lá!!!

Aqui estão os prêmios, anime-se mulherada!



Que trio maravilhoso!

Quem não quer enfeitar seu pinheirinho com essas lindezas?



Ownnnn!!!!


Boa sorte! Está valendo a partir de agora!!!
    

Vento da Mudança




"O vento da mudança sopra diretamente
Na face do tempo
Como uma tempestade de vento que irá tocar
O sino da liberdade pela paz da mente
Deixe sua balalaica falar
O que meu violão quer dizer


Leve-me (leve-me) à magia do momento
Numa noite de glória
Onde as crianças de amanhã dividem seus sonhos (Dividem seus sonhos)
Com você e eu (Você e eu)


Leve-me (leve-me) à magia do momento

Numa noite de glória (glória)

Onde as crianças de amanhã ficam sonhando (Ficam sonhando)

Com o vento da mudança (Vento da mudança)"

O tempo passa e, com ele, nós vamos agregando valores à nossa bagagem nesta estrada da vida. Amigos, amores, experiências, desavenças, frustrações, desafios, viórias nos ensinam sobre quem somos, nossos objetivos, sobre o que, afinal de contas, significa a jornada.

Me peguei pensando em milhares de questões nos últimos tempos, compartilhei várias delas neste espaço,  brinquei com as emoções que me constroem e desconstrui alguns dos meus pontos de vista com a participação das amigas.

Porém, novas ideias começaram a  surgir, algumas delas precisavam ser desengavetadas e, após duas semanas de muita luta contra o cansaço e  doenças que acometeram meus pequenos, resolvi que chegou a hora de deixar que fluam as vontades que vinha guardando dentro de mim.

Este blog não é apenas um relatório ou um livro de memórias para que no futuro meus filhos vejam como são fofos, espertos, carinhosos e lindos - realmente penso tudo isso deles, acho a Larissa e o Caio crianças fabulosas! -, mas é um espaço muito mais para mim e que me trouxe vários ganhos, principalmente um crescimento como pessoa. Tem funcionado como diversão, terapia de grupo, mas sobretudo, um primeiro degrau para voltar a conviver com os meus interesses individuais e é sobre isso que estou desejando falar nesse momento.






Por isso aceitei o convite do blog Tutti Mami para colaborar com as minhas vivências para engrossar o coro das mães que são supermães e muito mais!


E é também por essa razão que o Desconstruindo a Mãe vai começar a ganhar outros espaços! Para inaugurar uma nova fase que começou na minha vida e que, aos poucos, vou poder compartilhar com vocês!


Vou continuar sempre falando de coisas relacionadas à maternidade, já que sou apaixonadamente entregue ao papel que pude escolher nesse palco. Subi no palco para arrasar, como dizem algumas amigas V.I.P.s que amo muito. E para que isso aconteça, vou abrir espaço para que todas nós possamos falar dessa grande ZONA que é a vida de MÃE.


Em breve, então, apresentarei o espaço reservado apenas para quem não se considera uma mãe perfeita, mas que faz com gosto a sua parte e quer ser feliz desfrutando de todas as suas áreas de interesse.



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...